Venezuela atrasa exportação de petróleo e preços sobem


A Venezuela está quase um mês atrasada na entrega de petróleo a clientes a partir de seu principal terminal de exportação, segundo dados de embarques, com atrasos crônicos e a redução na produção do país ameaçando levar ao rompimento de contratos da estatal PDVSA se os envios não forem liberados em breve.

A petroleira levantou nos últimos dias a perspectiva de que as entregas poderiam ser interrompidas para algumas das maiores refinarias do mundo, caso ela não consiga acabar com um gargalo em seus navios-tanque que tem contribuído para uma forte queda nas exportações de petróleo, que são a principal receita do país, membro da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep).

Navios-tanque que aguardavam para carregar mais de 24 milhões de barris de petróleo, quase o montante que a PDVSA embarcou em abril, estão parados no principal porto do país para petróleo, segundo os dados.

O acúmulo é tão grande que a companhia disse para alguns consumidores que pode declarar força maior, o que permitiria uma suspensão temporária dos contratos, caso os clientes não aceitem novos termos de entrega.

A Venezuela enfrenta ameaças de sanções norte-americanas e está em meio a uma crise econômica.

Os atrasos ajudaram a empurrar para cima os preços do petróleo Brent, que subiam cerca de 1% nesta manhã.

O petróleo Brent subia 0,86 dólar, ou 1,14%, a US$ 76,22 por barril, às 9h52 (horário de Brasília). O petróleo dos Estados Unidos avançava 0,65 dólar, ou 1%, a Us$ 65,38 por barril.

Nesta quinta-feira (8), mais de 80 navios-tanque estão aguardando em águas venezuelanas, metade deles à espera de serem carregados com petróleo e produtos refinados para exportações, segundo os dados.

Os atrasos têm se acumulado desde maio, quando a PDVSA teve ativos confiscados, o que forçou a companhia a parar de usar instalações no Caribe para armazenar e carregar cargas. Mas o descumprimento de contratos de fornecimento de petróleo pela PDVSA começou há meses, quando a redução na produção se acelerou, segundo documentos internos da companhia.

A PDVSA não respondeu a um pedido de comentário da reportagem.

“As dificuldades em relação à oferta da Venezuela ocorrem em um momento em que a Organização de Países Exportadores de Petróleo (Opep) está considerando reduzir os cortes de oferta que estão em vigor desde 2017 e foram implementados para aumentar preços”, disse Jasper Lawler, chefe de pesquisa do London Capital Group.

“A grande questão para o petróleo é se a Opep decidirá ou não reduzir os cortes de produção. Com a reunião ainda a duas semanas de distância, os operadores do mercado de petróleo podem estar entrando uma nova rodada de volatilidade.”

A Opep se reune com a Rússia em 22 de junho para discutir sua política de fornecimento.

O Iraque, membro da Opep, disse na quarta-feira que o aumento na produção não está na mesa. A afirmação veio após um pedido dos Estados Unidos por uma elevação da oferta.

Reuters

Previous Fiscalização interdita motel por condições de higiene precárias
Next Balé Jovem apresenta espetáculo no Teatro Severino Cabral

No Comment

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *