Polícia Civil da Paraíba vai investigar a morte de cachorro em ônibus


A Polícia Civil irá investigar a responsabilidade da morte do cachorro que foi transportado em um bagageiro do ônibus da empresa Expresso Guanabara durante 440 km em uma viagem entre as cidades paraibanas de Sousa e João Pessoa, no último domingo (23). De acordo com o delegado geral da Polícia Civil, João Alves, o caso necessita de uma análise, pois não se sabe exatamente onde o cachorro morreu e que a responsabilidade é de quem teve a ideia de pôr o animal sob essas condições para um longo trajeto, pois não é possível dizer com precisão a quantidade de horas que ele passou ainda vivo no bagageiro.

O caso ficará sob os cuidados da Delegacia de Crimes contra o Meio Ambiente e o delegado acrescenta que uma das possibilidades seria uma possível ação por maus-tratos. “Em uma viagem distante de Sousa pra cá, deviam ser medidas essas consequências. Na verdade, a competência seria do lugar onde o cachorro morreu, que não se sabe, mas sabemos onde ele foi colocado na mala”, esclareceu.

Redes sociais

Um vídeo circula nas redes sociais registrando Talles Welton, dono do cachorro Totty, lamentando a morte do animal. Nas imagens, o cão aparece dentro de uma caixa transportadora de pets. Segundo um laudo veterinário, o cachorro era um buldogue francês de um ano de idade e viajou no porta-malas do ônibus por cerca de seis horas, pois a empresa Expresso Guanabara não permitiu que ele fosse no interior do veículo com a tutora, que era a mãe do jovem.

Redação

Previous Sobreviventes do tsunami na Indonésia, vítimas da fome e das doenças
Next Prazo de saque do abono salarial 2016 termina nesta semana

No Comment

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *